Terça, 21 Março 2017 15:42

Viva o rodízio das estações

Sem dúvida, o calor foi assunto quente deste verão!  A churrasqueira estava com a brasa bem quente em cima da gente, não é?  Tinha dia que não havia sombra para nos aliviar. Só havia ... calor!!! E temos orgulho em dizer que nossa geladeira deu conta do recado porque a cerveja sempre esteve geladinha, pronta para aliviar os que chegaram para nos visitar.

E agora chegou o outono.  A estação da transição do calor intenso para o frio (será que vai fazer tanto frio em Santos de novo?...), o  momento das folhas antigas caírem para darem espaço para as novas. O espaço para o novo. Isso: permita-se o novo também!

Pra você, que ainda não conhece o Costelão, uma boa oportunidade de conhecer o novo. A você, que já é nosso cliente, escolha algo que ainda não tenha comido dentre as tantas opções do Costelão. Só gosta de comer Meca? Experimente o espeto misto desta vez. É da turma do galeto? Que tal uma picanha, só para variar? Ah... mas você que acha que churrascaria tem que ser rodízio, fazemos uma convite ainda mais especial: permita-se e experimente um espeto feito no capricho só para você.  Quem disse que churrasco bom tem que ser rodízio? 

Viva o rodízio das estações!

Bom outono a todos!

Segunda, 06 Março 2017 11:39

Diferentes formas de servir churrasco

É comum nos perguntarem o porquê de não utilizarmos o sistema rodízio para churrasco. A resposta é bem simples: porque gostamos de fazer churrasco sob medida, preparando cada espeto do jeitinho que o nosso cliente deseja. Só que alguns acham que isso não é seguir o jeito tradicional de se fazer e servir churrasco.

Fomos investigar. Descobrimos que no sul existe o rodízio, chamado de “espeto corrido”,  mas há outras duas formas de se servir o churrasco também muito populares: espeto único servido em lasquinhas ou churrasco servido de uma única vez, com todas as opções de carne apresentada em um só momento. Vamos explicar.

Alguns gaúchos preparam todas as carnes do churrasco e as servem todas juntas, de forma a garantir que o churrasqueiro também se sente à mesa. Todas as carnes são servidas ao mesmo tempo e cada qual escolhe o que deseja comer.

Outra forma, é a carne servida em lasquinhas. Decidida qual a carne a ser apreciada, o espeto faz o trajeto fogo-mesa por algumas vezes até que a carne seja toda consumida. Em Nova Petrópolis, região da serra gaúcha com forte influência alemã, chamam isso de “churrasco de alemão”: paciente na arte de servir.

Nós servimos o espeto na mesa mas, para a carne se manter quentinha, podemos voltar o espeto para a churrasqueira quantas vezes for necessário e apreciado pelo nosso cliente. Isso nos faz concluir que somos tradicionalistas no quesito forma de servir o churrasco, com um leve toque alemão. Prost!

Quarta, 08 Fevereiro 2017 12:39

Diga-me como cortas o gado e te direi de onde és.

Neste mundo globalizado em que vivemos, há os defensores de um só padrão de corte de carne bovina porque, dizem, isso facilitaria o comércio de carne entre nações, barateando o custo para todos.

O argumento é válido, mas ele logo perde força quando se pensa no aspecto cultural que está embutido no processo de corte de carne. Quer ver?  O que você acharia se um novo modelo de corte de carne tirasse a picanha de cena? O que diria um argentino que perdesse seu bife de chorizo? Americano trocaria um  “T bone steak” por um bom pedaço de alcatra? Acho que não...

Os cortes são muito variados e um dado interessante do porquê destas variações de corte passa pela forma de manuseio do pedaço de boi. No Brasil, a carne é comumente desossada de forma manual, o que gera um menor volume de lixo de carcaças, inclusive, porque temos mão de obra disponível para isso. Nos Estados Unidos, a realidade é outra: não tem mão de obra em abundância para isso. Usa-se máquinas para agilizar o corte e baratear custo.

Não é curioso? Por isso que é importante comprar carne de boa procedência para que a  picanha seja picanha de verdade e bife de chorizo seja um autêntico argentino ou uruguaio. É um cuidado que você não vê...mas sente na hora de comer um bom pedaço de carne.

Segunda, 30 Janeiro 2017 15:42

Sal grosso

Uma das superstições que existem por ai é que tomar um banho de sal grosso tira eventual mau olhado. Outra é a de que deixar um copo de salmoura feita com sal grosso nos cantos da casa equilibra o ambiente (falam até em neutralização de campos eletromagnéticos negativos). Tudo isso pode ser verdade, não nos cabe avaliar.  O que nós do Costelão podemos garantir é que sal grosso é bom na cozinha.

Sal grosso, em estado puro, é o único tempero do churrasqueiro. Simples assim.  Carne não tolera salmoura, um crime culinário que só faz enrijecer as fibras. Carne gosta de ritual. Primeiro, ela deve ser salgada em toda a sua superfície. Depois, ela precisa de um tempo de transpiração para que o sal seja absorvido.  Depois, ela quer ser acariciada para que o sal seja retirado. Dai que chega a hora do fogo.

E, sim, é o sal grosso que  faz a magia do sabor.  E, para voltarmos a falar de energia, saboreie um bom churrasco no Costelão e curta o bom astral de comer um bom churrasco!

Quinta, 12 Janeiro 2017 16:56

Janeiro!

Estamos em janeiro.  Se olharmos para a origem morfológica da palavra que dá nome ao mês, descobriremos que ele  traz em si muitas coisas boas.

Janeiro vem de Jano, deus da mitologia romana que exerce poder sobre todos os começos. Um deus com duas faces: uma para o passado e outra para o futuro. Seu nome também está associado às trocas e colheitas.

Janeiro, então, é um mês propício para se pensar no novo, sem romper totalmente os laços com o passado. É o mês ideal para a troca de uma boa prosa com os amigos e para colher os frutos das boas energias plantadas anteriormente.

Celebre a vida! Venha comer um churrasco dos deuses... no Costelão!

Quinta, 29 Dezembro 2016 19:06

Esperança

Já estamos à porta de 2017.

É hora de colocar uma roupa na cor que lhe remete sorte, de pular ondinhas física ou mentalmente, de agradecer pelo que aconteceu de bom no ano que está terminando e... de esquecer o que não merece ser carregado como um fardo pela vida adiante.

Festa de Réveillon, significa a festa de nos reinventarmos. Sim, é a festa de celebração da vida! Que coisa boa recarregar as baterias com um carga de esperança!

E é com este espírito que  deixamos uma linda poesia de Mario Quintana, gaúcho, sobre o Réveillon. A poesia se chama... Esperança:


Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança...
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA...

Feliz 2017!

Quarta, 21 Dezembro 2016 12:05

As cores do Natal

Verde e vermelho, com uma pitada de dourado,  são as cores predominantes do Natal. Mas... qual será a razão delas serem as cores escolhidas?

Começando pelo verde, a primeira imagem que vem é a do pinheirinho que as famílias decoram para receber os seus parentes e amigos queridos. Sim, é uma cor que traz o colorido das plantas mas não necessariamente um pinheirinho. A tradição vem da Europa, local com a constante presença do frio e da neve nesta época do ano. Como sinal de alento para que as pessoas tivessem otimismo para encarar o frio, na esperança da chegada da primavera, as pessoas se presenteavam com galhos de plantas que permanecem verdes ao longo de todo o ano. Uma troca de esperanças de que o melhor estava por vir. Bonito, não?

O vermelho, por sua vez, tem dois destaques: primeiro, as bolas de Natal vermelhas. Na verdade, elas remetem às gotas de sangue de Cristo. Uma lembrança que o aniversariante do dia veio para se sacrificar por todos nós. Nos trajes do Papai Noel, por sua vez, a homenagem remete à batina de São Nicolau, arcebispo turco, que anonimamente ajudava e presenteava os necessitados.

A pitada de dourado remete ao ouro trazido como presentes pelos Reis Magos e ao brilho da estrela guia.

Nós do Costelão gostamos demais desta combinação de cores e a carregamos por toda a nossa história. Um Feliz Natal a todos os nossos clientes, fornecedores e amigos!

Quarta, 14 Dezembro 2016 08:30

Amigo secreto e suas modalidades

Sua turma já fez o sorteio de amigo secreto? Quem você tirou? Já tem uma ideia de presente? Estas são perguntas frequentes nesta época do ano. E a gente do Costelão  soma mais uma pergunta para vocês: como será o amigo secreto de vocês?

O quê?!! Não entendeu? Podemos explicar. É que hoje em dia a troca de presentes pode ser de variadas formas,  inclusive, a tradicional troca de presentes.  Aqui vão algumas delas:

Amigo Urso –  cada participante compra um presente que possa agradar a qualquer um dos participantes e o embrulha de forma a não ser possível identifica-lo.  Faz-se um sorteio para se atribuir um número a cada participante e, obedecendo esta ordem, cada um escolhe o seu presente, abre e... se preferir outro presente já revelado, pode “exigir” que a pessoa anterior troque de presente com ele.

Amigo da Onça – também conhecido como inimigo oculto, é a troca de presentes de algo que sabidamente desagrade ou se mostre absolutamente inútil para o presenteado.

Amigo Secreto com  presente definido – é quando a turma define que todos receberão o mesmo presente e a surpresa estará no modelo, cor e forma. Exemplos comuns são: chinelos de dedo, canecas, chocolates ou camisetas.

Faça o sorteio, marque a data de entrega e combine o happy-hour no Costelão. Temos certeza que será bem divertido!

 

Quinta, 08 Dezembro 2016 14:51

Amigo secreto ou amigo oculto?

Brincadeira de amigo secreto é popular e é tão difundida que fica até difícil rastrear a sua origem. Há os que acreditam que ela tenha surgido na Grécia antiga, como forma de presentear aleatoriamente pessoas influentes daquela sociedade. Tem os que atribuem aos nórdicos o ritual de troca de presentes como uma forma de registro de um pacto de crença em seus deuses.  E há os que consideram sua origem absolutamente pagã com o adendo dela ter sido resgatada durante a crise de  1929 por operário americanos.

A origem é incerta e o nome também gera controvérsias. Em Santos, chamamos de Amigo Secreto enquanto que no Rio de Janeiro é mais conhecida  como Amigo Oculto. Se voarmos para o hemisfério norte, o nome passa a ser Secret Santa ou Mistery Friend, conforme a região dos Estados Unidos. E, para dar um toque europeu à nossa conversa, na Alemanha, o nome é Kriss Kringle.

Escolha a forma como quiser chamar, reúna os amigos e façam uma linda confraternização. Na próxima postagem, daremos ideias de como poderão fazer a brincadeira la no Costelão. Aguardem!

 

Segunda, 28 Novembro 2016 19:59

CONFRATERNIZAÇÕES DE FINAL DE ANO

Fim de ano chegando e um interessante fenômeno social começa a tomar conta de nossas agendas: as festas de confraternização.  Os laços de afeto que une diversos grupos são os mais diversos afinal, tem a turma do futebol, a turma da faculdade, aquela do trabalho, aqueles amigos de todo sempre, a da família e aquela turma que recém se formou: a turma nova de 2016.

Qualquer que seja a sua turma, qualquer que seja o tempo em que se conhecem,  que tal organizar um encontro no Costelão? E vão aqui algumas boas razões para isso: a gente monta a mesa do tamanho da sua festa, o local é descontraído, churrasco sempre agrada (e é agregador por natureza), tem estacionamento fácil e nosso horário é flexível.

Ligue para a gente! Vamos organizar encontros de alegria!    

Sexta, 04 Novembro 2016 17:30

Chame como quiser!

Na última postagem, foi dito que churrasco é muito apreciado no Brasil, mas que há variação sobre a preferência da carne a ser assada. Hoje o papo é mais “ linguístico”, por assim dizer.  Vamos ver que há pedaços de carne que possuem diferentes denominações para igual parte do boi.

Vamos começar pela costela. Costela é costela, mas ela traz consigo o chique termo “entrecot” que também é popularmente conhecido como filé de costela. E aquele contra filé delicioso que é uma das estrelas do Costelão? Bom, ele poderia ser chamado de “filé curto” porque é assim mesmo que ele é: curto. A maminha, por sua vez, tem lugares que praticamente ignoram a sua existência, e a batizam de ponta da alcatra e ponto. Agora, o termo que mais nos diverte (e que comentamos na última postagem) é “vazio” que, relembrando, é o que chamamos de ponta da costela.

Bem, cada um pode chamar do jeito que conhece. Melhor mesmo é, ao invés de abrir o dicionário, venha ao Costelão, abra o nosso cardápio e chame o garçom para anotar o seu pedido. Se preferir, navegue no cardápio do nosso site e chame o delivery para receber o seu churrasco em casa. No final das contas, sejá lá qual for o nome, garantimos que estará delicioso!

 

Segunda, 24 Outubro 2016 15:26

Cada um com seu gosto!

O churrasco é um prato adorado pelos brasileiros mas, os  brasileiros gostam do churrasco de maneiras diferentes, conforme a região onde vivem. Quer ver alguns exemplos?

Costela de boi é uma delícia, mas não é a carne mais admirada pelos paulistas. Seu gosto  peculiar, bem como sua textura (que exige bastante tempo para o preparo) fazem com que a costela tenha um gosto marcante, por assim dizer.  Paulista consegue viver sem uma costela. Para gaúcho, porém, churrasco sem costela não é churrasco.

Vazio é outro corte conhecido nos pampas que, na região sudeste, remete exatamente a um vazio de informação. O que é carne vazio?!!! Simplesmente não se usa este termo por aqui, talvez porque ele seja a ponta sem osso ... da costela.

Em compensação, a picanha é a grande rainha dos churrascos paulistanos, mas aquele espeto muito característico de nossa região, não se vê tanto no sul. Para os especialistas de lá,  picanha deve ser feita na grelha para garantir a suculência da carne. Nada de espeto com carnes arredondadas...

E, para não falarem que não falamos do nordeste, a notícia que vem de lá é que a alcatra é a rainha do pedaço e, pelo que dizem, servida ao ponto.

A nossa preferência é preparar bem o seu churrasco preferido. Aguardarmos você no Costelão!

 

Quarta, 12 Outubro 2016 08:07

Como é bom ser criança!

Como é bom ser criança!

Rir, brincar, gostar de sorvete, viver um inocente faz de conta, deixar a seriedade para os mais velhos... Como é bom ser criança! E é mágico quando a gente descobre que pode ser um pouco criança para sempre!

E parece que Santos nos lembra e convida a brincar. Pode ser na aula pública de surf em que todas as idades surfam juntas e misturadas, nas pescarias, nas partidas de futebol, nos campeonatos de tamboréu, nos encontros para uma disputa de dominó, nas andadas de bicicleta por ai. Ah, tem tanta coisa bacana para a gente brincar por aqui!

Criança sonha, faz planos, não pensa nos medos e assombros. Criança tem uma força motriz que move a alegria de viver! E Santos é um propulsor desta força motriz. Santos tem alma jovem!

Nós do Costelão  adoramos esta alegria toda e propomos que neste dia da Criança, você opte por um almoço bem gostoso: carninha, batatas fritas e um sorvete duplo de sobremesa!!!

Feliz Dia da Criança!

Segunda, 10 Outubro 2016 20:11

Santos! Que cidade bacana!

Neste fim de semana, recebemos muitas visitas. A Vila comemorou seu centenário com um amistoso internacional e isso realmente movimentou a cidade. Foi bacana de se ver. E foi bacana perceber que existe um senso comum entre moradores e visitantes de que Santos é uma cidade ... bacana!

Bacana traz em si um monte de atributos positivos que, de fato, combinam com Santos: uma cidade alto astral, agradável, legal, maneira, notável, bonita. É tudo de bom!  Santos tem orla longa e ajardinada, é plana, é  boa para uma caminhada. Santos preza pela qualidade em todos os níveis porque quer oferecer o melhor para seus habitantes e visitantes.

Adoramos Santos e já fazemos parte desta história bacana da cidade há três décadas. Sim,  somos  a churrascaria tradicional de Santos, assim como a Vila é o berço e tradição do futebol santista.  É uma honra e uma responsabilidade.

Para encerrar os festejos do fim de semana, Parabéns Vila pelo seu centenário e... Parabéns Santos por ser tão bacana!

Segunda, 26 Setembro 2016 11:47

A primaveva

A chegada da primavera está sendo muito celebrada neste ano. Creio que todos irão concordar que o frio que veio visitar a Baixada neste inverno foi muito acima do que estamos acostumados a ver por aqui. Foi bom, usamos roupas quentes que fazia tempo que não usávamos, tomamos vinho,  mas já estamos com saudades da praia, do shorts, do mar e da cerveja. Afinal, moramos em cidade de praia.

 A primavera chegou e isso quer dizer celebração! Que venha o novo, que se plantem novas sementes de felicidade e que se arranquem as ervas-daninhas que dificultam o florescer de boas ideias. Vamos ver o sol e brindar a vida!

Opa! Brindar?! Que tal com uma cerveja bem gelada?! E que tal uma linguicinha aperitivo para acompanhar? Pronto... vem para o Costelão que nós já estamos com tudo pronto.

Feliz Primavera!

Terça, 13 Setembro 2016 16:46

Por que existe carne branca e vermelha?

Quando se pensa em churrasco, uma das imagens facilmente a ele associadas é a de uma carne vermelha, tenra e suculenta.  É um fato: carne tem cor.

Tem carne branca, carne rosada, carne vermelha, carne escura. Por que? A explicação está nas aulas de biologia. Vimos no outro dia que a picanha, por exemplo,  é um pedaço de carne nobre retirado da parte traseira do boi, mais especificamente do coxão duro.  É, portanto,  um pedaço de músculo coberto de gordura.  A informação adicional do dia é: a carne, por ser composta de feixes de fibras musculares, ricas em mioglobina, é uma rica fonte de ferro.  Sei. Mas o quê isso tem a ver com a cor da carne?

Amigos, é o ferro que dá cor à carne. E quanto mais mioglobina, mais ferro.  Dai fica fácil entender que animais de grande porte, como o boi e a vaca, necessitam de mais ferro para manterem-se saudáveis, consequentemente, possuem uma carne mais avermelhada. Os animais pequenos como frango, porco e peixe, por sua vez, necessitam de menos mioglobina, resultando em uma carne branca.

E há mais uma curiosidade interessante: os animais mais velhos precisam de mais ferro do que os mais jovens. O galeto, que já sabemos ser um frango com poucas semanas de vida, tem a carne mais branca do que uma senhora galinha caipira. Assim é a vida...

De onde se conclui que ir ao Costelão é uma questão de saúde. Seja lá qual for o ponto como goste do seu churrasco, podemos lhe garantir que será uma refeição rica em ferro. E recomendamos  comer carne por anos e anos porque quanto mais envelhecemos mais necessitamos e apreciamos o sabor de um bom churrasco.

Segunda, 22 Agosto 2016 09:16

Você já comeu polenta frita no Costelão?

No cardápio do Costelão, na parte de guarnições, consta um item que nem todo mundo conhece ou já pediu: polenta.  Se você ainda não experimentou, talvez, depois desta postagem, fique com vontade de experimentar. É bem gostoso!

A polenta é originária da Itália, mais especificamente do norte daquele país, região em que a chuva favorece o plantio de milho, matéria-prima da polenta.  Seu preparo é sempre feito da mesma forma: vigorosas mexidas na pasta feita com farinha de milho, água e sal, até que se alcance a textura desejada.  A mais pastosa, tem consistência de angu. A mais dura, permite o corte em fatias, que podem ser comidas com molho ou fritinhas. No churrasco tradicional, a polenta é mais comumente servida deste jeito.  Se assim é, claro que no Costelão polenta também é fritinha: crocante por fora e cremosa por dentro. Humm...!

Outra curiosidade da polenta. Por ter origem italiana, ela, tradicionalmente, faz par com o galeto que, como já vimos anteriormente, foi uma das interferências italianas no churrasco gaúcho. No sul do país, inclusive, há uma enormidade de restaurantes que só servem galeto e polenta frita, algo que, por sinal, por um bom tempo, reinou nos restaurantes da região de planalto da Anchieta e Imigrantes.

Então... que tal um churrasco bem gostoso, um galeto e uma polenta para acompanhar?

Domingo, 14 Agosto 2016 09:16

Dia dos Pais

Em maio, fizemos uma homenagem a elas. Hoje, a celebração é para eles: os pais.

Todo segundo domingo de agosto é deles. É dia daquele abraço apertado, de se brindar e de se celebrar a alegria de se ter um pai. Mas isso não acontece concomitantemente em todos os lugares do mundo.  Quase todos os meses tem dia dos pais sendo celebrado em algum lugar do mundo.  Curioso, não?  O motivo disso é puramente comercial. Na verdade, cada país incentiva o dia dos pais quando melhor couber no seu calendário de eventos.

 Tem celebração para os pais sempre no ar e isso é muito bom!!!

Isso nos fez ter a ideia de uma brincadeira. Na coluna da esquerda, vamos listar alguns países. Na da direita, algumas datas. Seu desafio é tentar casar a data do dia dos pais com o local.

 

1 – Rússia                                                                    a – 17 de junho

2 – Portugal                                                                  b – terceiro domingo de junho

3 – Taiwan                                                                    c – 19 de março

4 – Austrália                                                                 d –primeiro domingo de setembro

5 – Alemanha                                                               e – 08 de agosto

6 – Paraguai                                                                 f – 23 de fevereiro

7 -  Estados Unidos                                                       g – 39 dias depois do domingo de Páscoa

 

Conseguiu?

Cheque agora as suas respostas. E lembre-se: comemore!!!!

O Costelão, desde já, saúda a todos os pais!!!

 

 

 

Resposta: 1f, 2c, 3e, 4d, 5g, 6ª, 7b

Sexta, 05 Agosto 2016 10:54

Churrasco faz sucesso até na TV!

Que churrasco é a paixão da turma do Costelão, não é novidade para ninguém. Que churrasco é praticamente uma unanimidade nacional, também não é novidade. Mas... já repararam como o churrasco vem ganhando espaço em nossas vidas?  Aqui vão dois exemplos.

As modernas construções de hoje em dia, mudam de status se no projeto  houver uma “varanda gourmet” que,  traduzindo,  que dizer:  uma churrasqueira na sacada para se fazer um churrasco. E isso traz de roldão um caminhão de produtos para equipar esta “varanda gourmet”:  aventais incrementados,  tábua para cortar, tábua para cortar e servir,  jogo trinchante, kit churrasqueiro, faca com bainha e por ai vai. Sem falar da decoração do espaço, com móveis bacanas e convidativos. Tudo isso é lindo mas fazer churrasco, vamos combinar, tem o lado de espeto sujo, grelha para lavar, churrasqueira para esvaziar depois de usada, chão da sacada para dar uma boa esfregada depois da festa.  Nestas horas, é bom lembrar e dar a dica: O Costelão tem delivery.

E o churrasco também virou estrela de reality show. O primeiro reality show sobre churrasco foi lançado nos Estados Unidos em 2009 com o nome  de “BBQ Pitmasters” , depois veio o “BBQ Kings” e em maio passado, foi lançado o “BBQ Pit Wars” que está  no ar pela TV Destination America e pode ser visto na internet acessando http://www.destinationamerica.com/tv-shows/bbq-pit-wars/. Uma versão brasileira aconteceu no início deste ano e, diga-se de passagem, teve como vencedora uma mulher à frente da churrasqueira, o que desmistifica a máxima de que churrasco é assunto de homem.

Tanto as construtoras como os canais de televisão estão sempre observando o comportamento humano na busca de oferecer aquilo que atraia ao seu público. Se ambos segmentos apostam no churrasco, é porque o churrasco tem valor para estes segmentos. Já parou para pensar nisso? E por que isso acontece?... Porque churrasco é bom demais!!!

Terça, 19 Julho 2016 09:21

Ah... a picanha!

A picanha é, sem dúvida, uma das queridinhas do paladar brasileiro. Todo mundo gosta, mas notamos que há muito desconhecimento  e suposições sobre esta carne. Ela merece um post de esclarecimentos.

Primeiramente, vale informar que a picanha é um pedaço de carne retirado da parte traseira do boi e é do grupo do coxão duro. Este nome lhe foi dado porque é bem nesta parte do boi que os pecuaristas do sul tocavam  o animal com a “picana”, que é uma vara comprida utilizada para condução do rebanho.

Por se tratar de uma parte extraída do coxão duro, há gente vendendo “gato por lebre”, o que, obviamente, causa desgosto aos ludibriados. Criou-se então  a regra de que picanha nunca pode passar de 1,5kg. Esta regra é uma boa orientação mas, verdade seja dita, há como uma picanha ter peso superior. A raça do boi e a forma de criação, por exemplo, podem alterar o resultado final desta matemática. Isso está comprovado. De toda forma, na grande maioria dos casos, a máxima de que picanha pesa em torno de 1kg é válida, especialmente para o rebanho brasileiro.

O aspecto da picanha. Ela é uma carne que sempre tem uma cobertura de gordura e seu formato é triangular, sendo que a separação do coxão mole deve ser  feita exatamente nesta parte maior, mas especificamente na terceira veia  a contar da extremidade mais estreita para a parte mais larga.

A picanha pode ser preparada de diversas formas mas, a mais admirada de todas é o churrasco de picanha. Uma carne nobre com um tratamento nobre. É assim que tratamos a picanha no Costelão.  

Agora que você já conhece um pouco mais sobre esta iguaria, permita-se saborear  uma verdadeira picanha... no Costelão, é claro!

 

Sexta, 15 Julho 2016 09:19

“Mal passada, ao ponto ou bem passada?”

Por trás de uma pergunta tão corriqueira, esconde-se  uma complexidade danada e uma verdadeira aula de bioquímica dos alimentos. E há defensores para todos os gostos, embora a grande maioria das pessoas parece ser defensora de que a carne ao ponto é a melhor opção, tanto para o paladar como para a saúde. E o que dizem os chefs? Ah, as escolas de gastronomia aceitam quatro estágios de cozimento: selada, mal passada, ao ponto e bem passada. 

Só que, na vida real, que nos perdoem as grandes escolas,  o que chega ao churrasqueiro do Costelão é algo bem mais complexo. Querem  ver?

-“Tostada por fora mas mal passada por dentro”

- “Mal passada”

- “Ao ponto mas mais para mal passada”

- “Ao ponto mas mais para bem passada”

- “Ao ponto”

- “Bem passada mas mais para ao ponto”

- “Bem passada mas não torrada”

- “Bem passadinha”

-“Bem passada”

Só aqui, identificamos nove diferentes respostas. E cada uma delas, quando pronunciadas,  geram expectativa a quem a diz e... coloca responsabilidade nos ombros do churrasqueiro.  O desafio está posto.

E assim, pacientemente, ela toma as medidas para equalizar o tempo de cozimento interno com o tempo de exposição direta à brasa para que a textura, a suculência  e a aparência sejam alcançadas.

Quando for ao Costelão, não tenha medo de dizer como gostaria da sua carne. Do jeito que você disser, a gente vai entender. Esta é a nossa especialidade.

Terça, 12 Julho 2016 09:18

Vinho com churrasco... Por que não?

O chimarrão é um hábito gaúcho e deve ser tomado bem quente. Alguns até o consideram a bebida ideal para acompanhar um churrasco, porque ele age como adstringente da boca e dá uma equilibrada na gordura natural da carne.

O vinho tinto também desempenha esta função de amenizar a gordura do churrasco, só que por razão distinta: ele tem boa quantidade de tanino em sua composição. O tanino, presente na casca e sementes da uva, interage na saliva, que, alterada, faz esta função de adstringência na boca. Soma-se a isto o fato de que o tanino quando em contato com o sal grosso realça o sabor da carne. Cabernet Sauvignon e Malbec são boas pedidas para se obter estes benefícios do vinho. Experimentem.

Antes que achem que o Costelão não é mais o mesmo, que agora quer ser chique, vamos deixar algo combinado: não somos especialistas em vinhos. O nosso negócio é churrasco.  Mas se o vinho enaltece o sabor da carne que bem preparamos... aí o assunto já interessou. Salut!

 

Sexta, 08 Julho 2016 09:16

Carré de cordeiro – uma boa pedida para o inverno e... para a dieta.

Peixe e filé de frango são os campeões de pedidos daqueles que estão de olho na dieta. Bem  preparados na churrasqueira do Costelão são uma delícia mas, às vezes, surge a vontade de mudar um pouco o paladar, não é? Apresentamos uma ótima opção: Carré de cordeiro.

Carré é um tipo de corte na costeleta de cordeiro. Nele, limpam-se a os ossos da costeleta e deixa-se carne apenas no final de cada costela. É uma carne suculenta, magra, rica em nutrientes, excelente substituição para a carne branca. E se o assunto for ômega-3, foi constatado que carne de cordeiro tem EPA e DHA (componentes do ômega-3), em boa quantidade. Em termos de saúde, uma boa pedida, sem a menor sombra de dúvida.

Mas e o sabor? O sabor é forte e refinado. Grandes chefs adoram preparar pratos sofisticados com este corte porque sabem ter no carré de cordeiro um ingrediente aliado para o sucesso de suas criações gastronômicas. No Costelão, não inventamos moda: fazemos o carré de cordeiro do modo tradicional, mantendo uma distância de cerca de 30 centímetros da chama e prestando atenção para não passar do ponto, para garantir a qualidade da carne.

E por que carré no inverno se a carne é magra? Ah... a resposta está na bebida. Por se tratar de um corte de carne originário da França, vinho tinto é a grande pedida para este prato.  Os especialistas dizem que um Bordeaux ou um Cabernet Suavignon são a combinação perfeita.

A sugestão está feita. Venha e...Bon Appétit!

Quinta, 30 Junho 2016 08:55

A história do Meca e os japoneses

Em 1908, chegou uma expressiva leva de japoneses ao Porto de Santos. Muitos se aventuraram pelo Brasil afora, enquanto alguns optaram por aqui ficar, em parte atraídos pelo cheiro do porto, tão familiar para aquele povo. Dizem até, que em 1924, havia 406 famílias japonesas por aqui, o que até justificou a abertura de um escritório do consulado japonês na cidade. A maioria vivia da pesca e horticultura.

Pesca... aí chegamos à história de hoje. Os japoneses, exímios pescadores, primeiro pescaram peixes de pequeno porte, tal como faziam os locais mas, aos poucos, foram estudando o mar e resolveram se arriscar um pouco mais porque estavam acostumados a fisgar peixes grandes e a comer tubarão. Observaram, estruturaram-se (ao ponto de até criarem uma associação em 1932 com 63 associados) e foram para o alto mar. Juntos  descobriram o peixe meca. O cardápio típico, anteriormente feito com tubarão, estava garantido para deleite dos orientais.

Mas agora vem a história de pescador...

Os japoneses viram neste peixe uma excelente oportunidade de exportação e, dizem os pescadores, que nossos amigos começaram, então,  a vender o peixe para países da América Central que, por sua vez, passaram a revender para os países da América do Norte como “tubarão do pacífico”. Rebatizaram o meca e faturaram em cima disso!

Nós nunca saberemos se esta história tem um fundo de verdade  mas, enquanto isso...venham comer um meca na brasa e digam “ itadakimasu”, que significa bom apetite antes da refeição ter início. Tenho certeza que vão adorar!

Quarta, 15 Junho 2016 14:52

Santos x Sport

Hoje tem jogo na Vila Belmiro. Santos e Sport vão se confrontar sob uma temperatura de 12 graus!

Torcedor, faça a sua opção:

COLUNA 1: Dar uma forrada no estômago antes do jogo com um churrasco bem quentinho, no ponto certo, acompanhado de fritas saborosas e nosso molhinho tradicional.

COLUNA DO MEIO: Assistir ao jogo com a gente no salão climatizado e... desfrutar um churrasco bem quentinho, no ponto certo, acompanhado de fritas saborosas e nosso molhinho tradicional.

COLUNA 2: Chamar os amigos na sua casa e ligar para o Costelão para depois...desfrutar um churrasco bem quentinho, no ponto certo, acompanhado de fritas saborosas e nosso molhinho tradicional.

Não deixe a baixa temperatura esfriar a sua torcida! O Campeonato está animado e a sua torcida faz diferença, seja ela de onde for. Escolha onde quer torcer mas lembre-se: acompanhado de um churrasco Costelão, certamente ficará melhor!

 

Terça, 07 Junho 2016 10:08

Dia dos Namorados

Muita gente diz que o dia dos namorados é mais uma iniciativa do comércio para impulsionar vendas. Pode até ter uma boa dose de verdade mas a origem desta data tem o verdadeiro amor como inspiração.

O dia dos namorados foi criado para homenagear São Valentim, um bispo da Igreja Católica que, durante o Império Romano de Claudius II, foi proibido de celebrar casamentos. Por ter desacato a ordem imperial, foi preso e condenado à morte, o que aconteceu em 14 de fevereiro do ano 270. Diz-se que enquanto aguardava a sua execução, recebeu inúmeros cartões de admiradores que louvavam sua atitude de colocar-se a serviço do amor. Isso explica porque nos Estados Unidos até hoje se respeita esta tradição. Lá, a data do dia dos namorados presta tributo a São Valentim, o famoso “Valentine’s day”, com uma peculiaridade: embora a celebração de fato seja mais destinada a casais apaixonados, neste dia também se expressa o amor entre pais e filhos, irmãos e amigos.

No Brasil, a data do dia 12 de junho é o marco do dia dos namorados por ser a véspera do dia de Santo Antônio. Um frei português, chamado de Fernando de Bulhões, tal como São Valentim, sempre enalteceu o amor e o casamento e, dizem, foi ele quem instituiu este dia 12 no nosso calendário de festividades para ficar perto do dia do santo casamenteiro.

Nós do Costelão vamos embarcar nesta onda do amor. Convidamos  todos a celebrar o amor e sugerimos um leve toque americano: estendam a comemoração para todos aqueles que habitam seus corações.

O Costelão estará de portas e coração aberto para recebê-los!

Segunda, 30 Maio 2016 22:59

Churrascaria de estrada

O Costelão recebe boas avaliações no Trip Advisor, o que sempre nos enche de alegria. Um dos comentários mais frequentes que recebemos é que o Costelão  tem jeitão de churrascaria de beira de estrada, pela qualidade de sua carne e pelo traço tradicionalista.

Bom, o Costelão foi dar uma averiguada na região sul do país e Uruguai e descobrimos que nossos clientes têm razão: o Costelão tem mesmo um jeito bem sulista e tradicional de ser.  Veja as fotos que tiramos. Claro, que no caminho também vimos algumas coisas meio esquisitas que, cá entre nós, não deram muito certo. Uma churrascaria em um avião foi a mais malucas delas.

Outra curiosidade interessante. Alguns uruguaios deram uma abrasileirada no cardápio para atrair o público brasileiro. Foi com estranheza que vimos o termo “picanha” ao invés de “colita de cuadril”. E isso não quer dizer uma simples substituição de nome. É troca na forma de corte. É um impacto direto na tradição deles!  É uma questão de comércio para agradar o paladar brasileiro. Não é engraçado pensar que no Brasil a gente oferece carne uruguaia com os cortes deles e no Uruguai eles oferecem carne com cortes brasileiros? Nós do Costelão achamos melhor respeitar o tipo de corte feito no país de origem da carne.

A viagem foi breve mas deu para ver que estamos no caminho certo. O nosso churrasco, de fato, não deixa nada a desejar aos dos gaúchos e uruguaios. E, como churrasco de beira de estrada é sinal de qualidade, com muito orgulho recebemos este título de qualidade que nos foi dado por nossos clientes. Obrigado!

Segunda, 23 Maio 2016 17:18

Tem rede de fast-food chamando o cliente pelo nome

Algo impensável até pouco tempo atrás, tem começado a acontecer: rede de fast-food gastando mais um segundo de seu valioso tempo de atendimento para querer saber o nome do cliente que pegou fila para consumir em seu estabelecimento. Um toque humano em meio a tantas máquinas e procedimentos automatizados.

De forma mais inesperada ainda, vê-se um funcionário da mesma rede de fast-food convidar para visitar a cozinha ou pedir o preenchimento de um questionário de avaliação do estabelecimento. Chega a causar estranheza, não? Agora, a vontade é de criar um vínculo porque, ao final do passeio pela cozinha e do questionário, pede-se o e-mail para contato.

É um fenômeno interessante de se observar, se tivermos como premissa que quem vai a um fast-food, não procura a interação com o estabelecimento, mas sim agilidade no atendimento e padronização no produto. Uma refeição previsível, sem surpresas. Por sua vez, o estabelecimento quer vender procedimentos, automatização de processos e, consequentemente, um produto final absolutamente padronizado. Parece não haver espaço para a interação cliente-caixa-atendente e muito menos para o estabelecimento de vínculo. Mas há... Todo mundo gosta de ser bem atendido e todo mundo gosta de não se sentir mais um na massa, mesmo que seja na delicadeza do chamamento pelo nome. Fast-foods devem ter percebido que deviam estar perdendo clientes em função deste distanciamento entre atendente-consumidor que, em última instância, quer dizer distanciamento marca-consumidor.

O Costelão não é uma rede de fast-food e a última coisa que buscamos é uma massificação de procedimentos. Trazemos este assunto aqui porque ele só corrobora para algo que sempre foi uma máxima dentro de nossa casa: bom atendimento. Nosso cliente é rei e precisa ser atendido como tal.  E o nosso vínculo se fortalece a cada visita a nosso estabelecimento, algo que depois chega até a virar uma espécie de ritual. Vínculo que se estabelece com um comentário sobre o futebol entre garçom e cliente, um aceno de mão para a turma que fica no balcão, ou, de forma silenciosa, quando o garçom já traz “o de sempre” sem o cliente nem ter mais que pedir.

Temos orgulho de sermos assim e ficamos felizes quando notamos que praticamente todas as avaliações feitas ao nosso estabelecimento no Trip Advisor, às quais agradecemos, enaltecem esta nossa forma atenciosa de ser. Damos certo porque fazemos de forma espontânea.

E nosso blog e página no Facebook devem ser uma extensão desta nossa maneira de nos relacionarmos com vocês, nossos clientes. Vocês são sempre muito bem-vindos! Agradecemos que aqui estejam e saibam que estamos prontos para ouvir uma boa conversa, trocar alguma mensagem, ouvir sua opinião sobre o nosso trabalho e nosso local.

Quarta, 18 Maio 2016 09:01

Selfies

Quem já visitou um museu ou folheou livros de história, certamente já se deparou  com quadros de autorretrato. Uma vontade de alguém, em algum momento do passado, de mostrar-se  a outro alguém.

Quem tem mais de trinta anos, geração que antecedeu aos celulares, também deve se lembrar de ter visto autorretratos tirados na frente do espelho. Normalmente, fotos com pouco ou inexistente valor artístico. A vontade de mostrar-se, portanto, não é uma novidade. O que mudou, com a disseminação de câmeras em celulares,  foi a acessibilidade disso a muitos e o porquê de se tirar foto. Ainda há aqueles que querem apenas  mostrar seus atributos físicos mas, hoje em dia, soma-se a isso a clara vontade de se tirar selfie para registrar  algum passeio ou momento social. Aquele que tira foto quer mostrar-se pertencente ao cenário, ao grupo, à sociedade.

Claro que os jovens são os que mais fazem selfies mas, à medida que as gerações mais grisalhas aprendem a tirar seus próprios selfies, elas também gostam da brincadeira. É divertido postar algo nas mídias sociais e aguardar simpáticos comentários. É divertido ver por onde andam os nossos amigos e familiares e saber que eles estão bem e se divertindo. É divertido ver uma turma brindando em torno de uma mesa. 

Não se esqueça: Na sua próxima visita, nós queremos ver a sua foto brindando no Costelão!

Quinta, 05 Maio 2016 09:48

Dia das mães

Domingo que vem é o dia das mães. Um momento especial no ano.

Fomos pesquisar um pouco sobre esta data e foi curioso descobrir que há relatos de comemoração do dia da mãe desde a antiguidade, quando Réa, a mãe dos Deuses, era a grande homenageada.

Esta comemoração no segundo domingo de maio, porém, herdamos dos Estados Unidos. Anna Jarvis perdeu sua mãe em 1904 e, por dez anos, ela sempre organizou uma comemoração para as mães, na qual presenteava as mães presentes com cravos vermelhos e as que já haviam partido com um cravo branco. Isso ganhou volume, notoriedade, ao ponto do presidente Woodrow Wilson resolver oficializar o segundo domingo de maio em 1914 como a data de celebração para as mães, ideia esta que Getúlio Vargas decidiu implementar no Brasil em 1932.

Na Inglaterra, o movimento já foi outro. Durante a Revolução Industrial, foi criado o “mothering day”, dia de reencontro de filhos com as mães. Naquele tempo, muitas famílias que antes estavam reunidas no campo, passaram a sofrer o drama da separação: os homens foram trabalhar nas cidades e as mulheres ficaram no campo. A saudade era grande, mas o reencontro era difícil. Foi criado, então, um dia dedicado ao reencontro de mães e filhos.

O tempo foi passando, o mundo se globalizando, a internet ganhando espaço e hoje, novamente, alguns filhos pouco conseguem ver as suas mães, quer pela correria do trabalho, quer pela distância física.

Se você é um sortudo e tem a possibilidade de ter a sua mãe por perto neste dia tão especial, faça o programa ficar gostoso de verdade: reúna a família e venha celebrar no Costelão. Vai ser lindo ver nas nossas mesas, as famílias homenageando as suas mamães com um bom churrasco e um bom vinho pra acompanhar.

E não esqueça: Durante o seu almoço, faça uma selfie com a mamãe e publique na página do Costelão no Facebook. Queremos lembrar também desse dia com carinho.

Sábado, 23 Abril 2016 11:29

Churrasco é música

A turma do Costelão reparou que há músicas com a palavra “churrasco” na letra. Isso virou uma brincadeira divertida: tentar lembrar de músicas que tenham a palavra churrasco.

Como o churrasco tem origem no sul, vamos começar pelas tradições gaúchas. O primeiro nome lembrado foi o de Teixeirinha, que fez uma composição específica sobre o tema ( “Gaúcho no Churrasco”), na qual descreve todo o ritual, do preparo ao desfrute da festa.

José Mendes, outro gaúcho da gema que fez muito sucesso nos anos 60 com a música “Pára, Pedro!”, compôs “Churrasco” para também homenagear esta tradição. E o grupo “Garotos de Ouro” faz sucesso hoje em dia com uma composição chamada “Churrasco”.

Mas  engana-se quem pensa que isso é coisa da turma do sul. Não! A turma dos sertanejos tem prestado um bocado de homenagens ao espeto. Destacamos a dupla  goiana, Marcos e Fernando,  chamados sertanejos universitários. compuseram  “TCC, Truco, Cerveja e Churrasco” , uma brincadeira com o termo TCC, tão comum para o seu público.

E você se lembra de alguma música com a palavra churrasco? Compartilhe com a gente em nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/ocostelaodesantos/

 

Terça, 19 Abril 2016 10:59

UMA EQUIPE NOTA 10

Há muitos motivos para se frequentar o Costelão. Tem aqueles que vão para um almoço de negócios, outros para um encontro familiar, outros para se reunir com amigos ou, simplesmente,  porque gostam de uma boa carne.

E tem aqueles que vão ao Costelão para... trabalhar. Gente esforçada que chega cedo para deixar tudo pronto antes dos encontros acontecerem.  E, olha, são muitos os detalhes que devem ser atentados.

O churrasqueiro, por exemplo, tem que garantir que todas as carnes estejam devidamente acondicionadas e à mão para atender aos pedidos que chegarem. Ele tem que fazer a mágica de transformar um pedido num prato suculento, no ponto certo, em questão de minutos.

A turma dos acompanhamentos se encarrega daquele molhinho de cebola tão famoso na nossa casa e de preparar aquelas deliciosas porções de batatas ou polentas fritinhas. Como tudo tem que ser servido na mesma hora, o timing tem que ser perfeito entre a equipe da churrasqueira e a da cozinha.

Tem também o time dos garçons, liderados pelo Sr. Neves, que há mais de 20 anos é personagem frequente nos almoços da família santista. Como o Costelão tem um jeito tradicional de atender, nosso time de frente usa uniforme à antiga e cada garçom cuida de sua área de mesas com máximo cuidado: mesas devidamente postas,  azeite, sal e paliteiro disponíveis. Tudo tem que estar dentro do esperado. E o pedido  também deve vir como esperado, afinal, é o momento mais esperado da visita, não é?

E por falar na entrega do prato, vamos lembrar da turma do delivery. Este pessoal está sempre atento para anotar exatamente o que está sendo pedido e definir a expectativa de prazo de entrega. E é bom lembrar: não existe churrasco com entrega imediata. Há que ter um prazo de preparação se estamos falando de churrasco de qualidade.

Por fim, nossa turma do caixa. Agilidade na apresentação da conta e, claro, lançamento e soma correta são fundamentais. O fechamento da visita tem que ser igualmente cuidadoso.

São muitos os detalhes. É um trabalho de formiguinha. Assim trabalha a equipe do Costelão: com dedicação e alegria, para que a sua experiência seja sempre inesquecível e você tenha vontade voltar.

Terça, 05 Abril 2016 18:29

SE É BEM FEITO NO MUNDO REAL, É BEM FALADO NO MUNDO ONLINE

“Atendimento e churrasco nota 10”, “Churrascaria como antigamente”, “Tudo muito bem servido”.

É com muita alegria que a gente lê avaliações como estas no site da Tripadvisor. São depoimentos espontâneos, feitos por pessoas que visitaram o Costelão e tiveram vontade de compartilhar esta experiência  no mundo online. Que honra!

O aplicativo divulga estas postagens  e também premia os estabelecimentos que se destacaram ao longo do ano. É o selo de excelência, que , ao contrário do que se possa imaginar, não é o resultado de uma equação com algoritmos complexos,  envolvendo inteligência no uso de palavras-chave e outros códigos secretos. Não  é nada disso: a excelência, para eles, se fundamenta na frequência e intensidade dos relatos positivos recebidos de clientes. A excelência é reflexo da qualidade dos serviços prestados...na vida real! Esta é a lógica: se é bem feito no mundo real, é bem falado no mundo online.

Logo, as recomendações dadas pelo aplicativo para se lograr êxito e obter o selo de excelência são: oferecer um serviço notável, vestir a camisa da marca, mobilizar a equipe para que todos ofereçam o seu melhor sempre, entregar exatamente o prometido, preço justo e um contínuo canal de comunicação com o cliente. 

Nós conquistamos o selo de 2015! Nossos clientes nos deram esta chancela. Estamos firmes na caminhada pela chancela de 2016 e, neste caminho, queremos conquistar você!

Porque, se para nós, se já é muito bom quando o cliente curte a nossa página no Facebook e o nosso site, é melhor ainda quando ele, por iniciativa própria, escreve no Tripadvisor que curtiu o nosso... CHURRASCO!!!  

Terça, 22 Março 2016 20:17

ALMOÇO EM FAMÍLIA

Nos anos 70, o almoço de família no domingo era algo quase que sagrado. E melhor ainda se ele fosse num restaurante, porque permitia à mãe um descanso da cozinha depois de uma semana de panelas e fogão.  Sim, faziam-se mais refeições em casa durante a semana e isto tinha mais peso nas atribuições da dona do lar.

O restaurante. As famílias tinham seus restaurantes de preferência  e quando lá chegavam também tinham seus lugares prediletos.  Famílias menores tendiam a escolher as mesas mais tímidas no canto do salão enquanto que as maiores naturalmente escolhiam o centro do salão para melhor acomodar a todos e para esticar a quantidade de mesas no mesmo ritmo do crescimento da família. Ah, e tinha que ter cadeirões para os pequenos sentarem.

A disposição das mesas tinha que garantir a boa circulação dos garçons. Eles vinham alegres com os pratos e serviam a todos individualmente, usando para isso uma simpática mesa de apoio. Que destreza no manuseio de duas colheres com a mesma mão para manusear a comida enquanto que a outra mão segurava o prato! Sensacional!

Havia famílias que não permitiam que as crianças saíssem da mesa e ficassem “trançando” pelo salão (era exatamente este o verbo usando: trançar). As crianças tinham que ficar sentadas e se distraírem com alguma coisa. Algumas vezes, era permitido desenhar no papel encerado que cobria a mesa, se disponível, obviamente. Do contrário, os mais novos, que se sentavam todos próximos entre si, tinham que ficar conversando entre eles. Não havia celular, ipad, games ou qualquer outro eletrônico. E não havia o hábito de se levar na bolsa qualquer distração para a criança como um jogo, um livro ou algo similar. Tinha que ficar lá e interagir com os demais.

Nos anos 80, as mães, na sua grande maioria, tinham ingressado no mercado de trabalho. Os almoços em casa durante a semana começaram a ficar bem raros. O cansaço da semana passou a vir da rotina fora de casa. Para que não houvesse mais trabalho no fim de semana... restaurante no domingo.  O avô e avó eram convidados a ir junto, mas aquela reunião de todo o clã começou a se subdividir em grupos familiares e as porções tinham que ser caprichadas, mas em um esquema de uma ou duas porções para servir a todos. As crianças, mais cheias de opinião do que a  geração anterior, começaram a ter voz na escolha do prato e achavam chato demais aguardar pela comida. Uma televisão começou a surgir no salão do restaurante para alívio delas.

Nos anos 90, a tecnologia chega e o ritmo da vida das famílias muda. Todo mundo começa a ter mais correria. O almoço de domingo passa a ser um dos poucos momentos na semana em que o núcleo familiar se encontra  para uma refeição, por vezes com hora marcada para término, porque um outro programa já está compromissado na sequencia. As crianças começam a levar consigo aparelhos com joguinhos para se distraírem à mesa.

Quando viramos a folhinha para o novo milênio, o celular invade e fim! Adeus a um almoço em que todos estejam 100% presentes de corpo e alma naquele  encontro.  E as crianças, sempre mais influentes na escolha do cardápio,  quase que mandam mensagem eletrônica com a mensagem de “passa o sal” para seu companheiro de mesa. Exagero à parte, a dinâmica mudou um pouco e os almoços de domingo para algumas famílias deixou de ser algo sagrado.

Ai entra a magia do restaurante...

No Costelão é possível aos pais de hoje, resgatar aquele espírito bom do almoço de domingo.  Muitas de suas lembranças de infância estarão lá, de alguma forma:  o cadeirão, o papel encerado para proteger a toalha ( e para as crianças brincarem, se os pais deixarem), o jeito dos garçons (repare como eles sabem usar bem os talheres), o som de conversa de família no ar... e, claro, porções fartas e generosas.

A Páscoa está ai. Que tal resgatar esta tradição de almoço de família no próximo domingo? 

Sexta, 18 Março 2016 17:42

HABLEMOS EN ESPAÑOL

Já foi dito aqui que o Costelão foi ajustando seu cardápio ao longo do tempo, especialmente a influência dos cortes argentinos para a carne. O consumidor de churrasco começou a procurar carne com sotaque espanhol, o pedido foi atendido, mas talvez ainda existam dúvidas sobre estas carnes com sotaque portenho que estão no cardápio do Costelão.

Vamos começar pela picanha argentina, que servimos na deliciosa companhia de arroz e fritas. Surpreenda-se, mas o termo “picanha” é invenção de brasileiro e vem de “picana”, longa vareta que era usada para tocar o gado. Sabe onde cutucavam o boi? Na parte traseira, no seu quadril. Entendido isso, fica fácil entender porque na Argentina a picanha é conhecida como “tapa de cuadril”.  E por que importar picanha? Porque a qualidade dos pastos e as planícies dos pampas favorecem  uma carne macia e saborosa.

No cardápio do Costelão tem  também contra filé e  carne de chorizo. Existe alguma diferença, que não seja fonética,  entre estes dois cortes de carne? Sim, existe. O contra filé vai da 7ª à 12ª costela. A parte traseira do animal. O chorizo, por sua vez, é o miolo do contra filé,  um pedaço de carne que praticamente não faz esforço muscular e, consequentemente, tem uma maciez única. E, para  favorecer ainda mais a sua textura, o  bife de chorizo tem uma gordura na sua lateral que lhe garante a suculência na hora do preparo.

Agora, só nos resta dizer àqueles que vierem ao Costelão de Santos atrás dessas delícias porteñas: Bienvenidos e Buen provecho!

Terça, 08 Março 2016 15:10

É NA ÁGUA FUNDA QUE ESTÁ O MELHOR PEIXE

Conversar com quem seja bom no seu ofício sempre  permite o aprendizado de coisas interessantes. Foi o que aconteceu outro dia, quando um peixeiro de Santos deu uma curta aula sobre tipos de peixe. Tem peixe de água doce, de água salgada, de água fria e de água mais quente. Tem peixe gordo e tem peixe magro. Tem peixe de carne azul e peixe de carne branca. E por aí vai. É uma ciência. Sem falar na culinária. Saber qual peixe é mais adequado para o preparo de determinado prato é coisa para especialista.

Mas voltando para a curta aula do outro dia, aprendi que o ditado “É na água funda que está o melhor peixe” tem sua razão de ser. O peixe de água funda é um peixe que gosta de águas frias e, para manter sua temperatura interna superior à da água do seu habitat, come bem, tem um aparelho circulatório apropriado e desenvolve uma boa gordura, o famoso ômega-3, tão elogiado por médicos e nutricionistas.

Mas o que come este tipo de peixe? Ele come outros peixes menores e lulas. Ele não come sujeira. Um paladar requintado que se reflete na qualidade e sabor de sua carne.

Assim acontece com o Meca. Ele é natural das águas profundas do oceano Atlântico, adora comer atum e peixe dourado e não dispensa uma lula. É um peixe agressivo porque tem uma verdadeira “espada” na sua parte frontal, ferozmente usada no momento da busca de seu alimento, bem como no momento  em que percebe que foi fisgado por um arpão ou por uma rede de pescador.

Depois  de fisgado,  somos nós que  disputamos o Meca. Sua carne é macia e saborosa, por muitos, chamada de “picanha do mar”. Picanha?! Hum, isso lembra churrasco, isso lembra O Costelão. Exatamente! No Costelão  tem Meca no espeto, o peixe preferido da região santista.

Em tempo: Meca no espeto é uma excelente pedida para a semana santa, para aqueles que vão deixar a carne de lado mas, não abrem mão de um bom... churrasco!

 

Segunda, 29 Fevereiro 2016 17:19

GOURMET OU NÃO GOURMET?

Outro dia, estava escrito na frente de um restaurante: “comida caseira gourmet”.  Uma tentativa talvez, de se criar status para o  prato “comercial”. A definição de gourmet, em curtas palavras, é a culinária dita mais elaborada para atender a paladares exigentes com relação à qualidade e apresentação.

Pensando assim,  comida caseira gourmet não faz o menor sentido. Comida caseira boa é aquela que tem sabor de casa de mãe (ou de avó), e também é servida em travessa parecida com a da casa de nossas mães, ou em travessa de inox, igual a do restaurante que a família sempre frequentou. Se vier com muita frescura, não tem mais o apelo de “caseiro”. E se o tempero tiver muita invenção de moda, aí que não é comida caseira de jeito nenhum.

O mesmo se aplica ao churrasco. Tem gente que até explica como se deve preparar um churrasco gourmet". Se você for pesquisar por ai, verá que churrasco gourmet é definido como aquele em que a qualidade é mais importante que a quantidade,  com minucioso critério na escolha da carne e com a churrasqueira na temperatura exata para o tipo de carne a ser assada. Ah bom... se churrasco gourmet é isso,  modestamente, aceitamos o título de churrascaria gourmet. Mas ficamos por ai, porque os acompanhamentos sempre serão servidos (e bem servidos!) em travessa de inox e a carne no espeto. É assim que churrascaria funciona!

Ah, e no "Costelão gourmet" a cerveja está sempre estupidamente gelada, mas, se preferir, podemos dizer que ela está na temperatura ideal para bem “harmonizar” com a carne escolhida. Viu como sabemos falar chique?

O Costelão de Santos: uma churrascaria tradicional.

Isso já diz tudo.

Sábado, 20 Fevereiro 2016 16:38

CHURRASCARIA DELIVERY

Na postagem anterior  foi levantada a questão de que restaurante bom é aquele em que os moradores locais gostam de ir. Mas, na verdade, a conversa pode se estender um pouco mais: restaurante bom também é aquele em que os moradores do local costumam fazer pedido por telefone.

Entrega em domicílio de um bom churrasco é uma ótima pedida! 

A alegria da confraternização do churrasco se estabelece, o prato vem bem servido e, para tudo ficar ainda melhor, a casa fica sem bagunça! Muitas famílias santistas concordam e têm este hábito de reunir a família aos domingos e ligar para o Costelão. São mais de cem entregas aos domingos. E é um hábito no sentido mais exato da palavra: famílias fazem isso todos os fins de semana! Uma honra para o Costelão.

Há uma recomendação, porém:  que o pedido seja feito com uma certa folga de tempo  e que a escolha do cardápio seja feita via site www.ocostelaosantos.com.br para agilizar o processo. São muitas as opções de carne, são muitos os acompanhamentos. Escolha e ligue.

A equipe de entrega do Costelão,  composta de dez motoqueiros, levam o sabor dos pampas para quase todos os bairros de Santos.

Reúna sua família e seus amigos. A carne a gente leva!

PARA PEDIR. LIGUE: (13) 3232.2579 OU (13) 3222.8484

Quarta, 10 Fevereiro 2016 10:58

SE TIVESSE QUE INDICAR UM RESTAURANTE...

É prática comum o visitante pedir uma indicação de um bom restaurante  para o morador da cidade visitada.  Outra prática, é esperar que a indicação de restaurante seja de algo típico daquele local. Se vou a Portugal, a expectativa recai sobre um bacalhau. Se vou a Itália, uma cantina ou pizzaria. Na montanha, a indicação natural é uma truta ou um fondue. Mas, então, qual é a boa em Santos?

Peixe é o pensamento imediato mas, o curioso é que, nem sempre o pescado comido em Santos vem do mar que está a nossa frente. Ele viaja um bocado, de caminhão ou navio, até chegar em Santos.

Se assim ocorre, fica fácil quebrar o paradigma de que em Santos é mandatório se visitar restaurante de peixe. O pensamento passa a ser: Qual o restaurante que os locais gostam de frequentar? E, nesse quesito, o Costelão é campeão.

São 28 anos de atendimento ao público da baixada, com direito ao título de churrascaria pioneira de Santos. É um restaurante que tem tradição, que tem alma de família em seu salão. Como já foi dito por aí, “é uma excelente opção familiar quando se quer comer bem e com fartura”.

Venha com sua família. Você vai gostar. E se gostar... não esqueça de indicar!

Terça, 26 Janeiro 2016 11:36

REPERTÓRIO AFETIVO

A comida faz parte do nosso repertório afetivo. Macarronada (e o termo tem que ser este mesmo), por exemplo,  tem associação direta com reunião de família. Bolinho de chuva remete à ideia de aconchego de mãe, de vó, de vida simples no campo. E por ai vai... 

Que associação é feita ao churrasco? De imediato, a ideia de confraternização. Quem já não ouviu a expressão “apareça lá em casa para a gente assar uma carninha no espeto”? A outra ideia, provavelmente associada à primeira, é a de alegria. Churrasco é um momento de curtição, mesmo que  seja durante um dia corrido de trabalho.

E tem mais uma coisa legal no churrasco que nós do Costelão fazemos questão de deixar bem latente. Churrasco é simples por definição: carnes, sal, espeto e brasa. Nada de muita invenção de moda. O Costelão é um lugar de preço acessível, familiar, descontraído.  Somos uma churrascaria tradicional no termo mais completo da palavra: paladar, olfato, visual e trato.  Tudo feito com muito esmero.

No Costelão tem até cabeça de boi pendurada na parede. Quer coisa mais típica do que isso?

 

Quinta, 21 Janeiro 2016 13:48

O CHURRASCO TEM HISTÓRIA II

No texto anterior falamos um pouco sobre a origem do churrasco. Aos índios foi atribuída a criação, aos tropeiros, a divulgação.  A história continua com mais dois personagens: o invernador e o italiano.

O invernador,  profissional responsável pela engorda do gado, fazia longos percursos com o rebanho em busca das melhores condições de pasto. Dizem que, no lombo de seus cavalos, levava carne de boi já salgada pronta para ser assada. Pode-se atribuir a ele, talvez, o conceito de comida pré-preparada: bastava chegar na nova parada e colocar a carne no  fogo. Um cardápio único: churrasco de carne de boi.

Então, você há de se perguntar o porquê de haver frango, linguiça, carne de porco e outras delícias no churrasco. Como que isso se deu?

Ah...A resposta vem com eles: os italianos. Sim,  os italianos foram os responsáveis por esta diversificação no cardápio do churrasco. Eles chegaram à região sul do país, ali se estabeleceram, conheceram o churrasco, gostaram e passaram a adotá-lo como um prato de dia de festa, só que com carne de boi, frango, porco, linguiça...

Tudo entrava na vinha d’alho por eles preparada de véspera. No dia da festa, ia tudo para o espeto e direto para o fogo. Nascia o conceito de espeto misto e a riqueza dos acompanhamentos.

Quando for ao Costelão, portanto, se escolher um espeto de picanha argentina ou de filé mignon, faça um brinde ao invernador. Se preferir o espeto misto, talvez valha dizer “salute!” e brindar aos imigrantes que lá chegaram.

Terça, 12 Janeiro 2016 16:43

O CHURRASCO TEM HISTÓRIA

O espeto perfura, encrava, transpassa... O sal dá sabor, conserva ...

E o braseiro convida a carne espetada e salgada para uma alquimia. É um jogo de sedução, com hora certa para o convite e hora exata para o envolvimento. O bom churrasqueiro fica sempre ali, testemunha e cúmplice, discretamente atento para tudo resultar em final feliz: a carne no ponto ideal para ser servida.

Mas de onde vem esta forma de se preparar carnes? As histórias são muitas mas um dado parece coincidir entre todas: o  churrasco é invenção dos índios do sul do país, imitada pelos tropeiros que, em suas caminhadas, a levaram para o seu ambiente ideal -  os pampas. Lá, nasceu o conceito de churrasco como conhecemos hoje. O sal, alimento para o gado, deu um realce no sabor. O espeto tomou o lugar da grelha indígena. E uma fogueira rudimentar, que não passava de um buraco no chão, garantiu o braseiro. Nascia a alquimia do churrasco, uma paixão nacional.

Vamos voltar a falar sobre a história do churrasco mas, por enquanto, fica o convite para você fazer uma visita ao Costelão de Santos e saborear o mais tradicional churrasco de Santos.

Esperamos por você!

Segunda, 04 Janeiro 2016 19:13

QUEM DISSE QUE DIETA NÃO PODE TER SABOR?

Passada a virada de ano, chega a hora da culpa pelas extravagâncias gastronômicas cometidas. Nada mais natural. Não se sinta culpado. Faz parte do ritual das festas de fim de ano. O negócio agora é partir para o ataque.

O modo mais eficaz para se baixar o indicador da balança é a diminuição da ingestão de carbohidratos  e moderada ingestão de proteínas e saladas.  Não é uma ótima oportunidade para você vir ao Costelão? Aqui você encontra exatamente isso!

Nós temos no cardápio muitas opções para tornar a sua dieta saborosa. Meca com brócolis, é para os amantes de peixe. É um peixe rico em ômega 3, de carne suave e macia, sem espinhas.

Bife de chourizo, picanha, filé mignon ou lombo, acompanhados da nossa famosa salada mista, ficam irresistíveis e muito bem balanceados. Já deve estar dando água na boca!

Mas, se preferir, vamos para o campeão das dietas: filé de frango. Já imaginou comer um filé de frango feito por churrasqueiro, no ponto certo, suculento? No Costelão, tem.

Ah, e se você quiser levar a dieta para a sua casa, basta utilizar o nosso serviço delivery. Os telefones são: (13) 3232-1579 e (13) 3222-8484.

Um feliz 2016!

Segunda, 14 Dezembro 2015 18:26

HAPPY HOUR

Brasileiro tem fama de ser um povo alegre, cordial, que sabe levar a vida. Haverá aquele que dirá que isso se deve a uma falsa imagem de combinação de cerveja, futebol, praia e carnaval. Podemos até concordar em certa medida, mas tem um fator que ajuda o nosso povo: brasileiro gosta de conversar e de socializar. É um traço cultural positivo, que coloca leveza na vida.

Estudos feitos em importantes universidades como Harvard, Sterling (na Inglaterra) também apontam que aqueles profissionais que têm o hábito de promover e participar de happy hours costumam ter uma carreira mais promissora e são mais felizes no trabalho. A explicação é simples: estreitamento de relações, mais confiança, mais criatividade e porque não dizer, mais visibilidade.

A mesma lógica se aplica aos amigos que não sejam do mundo profissional. Muitas amizades bacanas se formam enquanto se brinda e se pede porções de batatas fritas ao garçom. Muitas ideias criativas são desenhadas no papel parafinado que cobre as mesas do Costelão. É assim que tem que ser! É assim que queremos que o Costelão seja visto. Um lugar onde os amigos possam se reunir para conversar, para celebrar, para trocar desafios, problemas, idéias,  projetos e sonhos.

É muito bom ter com quem fazer happy hour! É muito bom ter um lugar convidativo para uma happy hour! Convide os seus amigos e venham ao Costelão. A cerveja estará gelada, as fritas sairão perfeitas, o molho de cebola com pão farão a dupla perfeita e as porções de linguiça e de costelinha estarão no ponto. Até mais tarde!

Terça, 08 Dezembro 2015 11:36

A CEBOLA

Se você digitar a palavra "CEBOLA" no Google, vai se surpreender com a quantidade de benefícios que esta plantinha de origem asiática nos proporciona. Incontáveis artigos escritos por nutricionistas e médicos associam o seu consumo regular como indicado para a prevenção e até o tratamento de diversas doenças nos mostram que ela pode fazer muito mais por nós do que apenas nos fazer chorar...

Vamos a alguns exemplos. O silício contido na cebola previne o envelhecimento das veias e artérias. Está com gripe? Cebola é um santo remédio! Sem falar de seu poder para evitar a retenção de líquidos.

No Egito antigo,  já se sabia que a cebola possui poderes mágicos para espantar doenças  enquanto que no Hinduísmo, sua estrutura em camadas sempre foi  associada à estrutura do EGO e sobretudo à questão do enraizamento da consciência ao corpo. Cebola para os hindus, remete à paixão.

Aqui no Costelão não é diferente. A cebola é quase que o nosso modo de dizer “boas vindas” aos que chegam. O delicioso molho do courvert é um dos queridinhos da casa. Mas a cebola não se apresenta só no começo dos trabalhos. Ela, sutilmente, acompanha as carnes nobres no espeto ou, se eleita, se torna a grande estrela do espeto quando  magnificamente grelhada na brasa. É por isso que dizemos: a quantidade de opções de sabores que se encontra no Costelão sempre surpreende e apaixona!

Terça, 13 Outubro 2015 10:04

CRAQUES DO CHURRASCO OU CHURRASCO DOS CRAQUES?

Bem, a ordem dos fatores não altera o produto. A tradicional Churrascaria O Costelão de Santos já é conhecida como ponto de encontro de torcedores santistas adoradores de churrasco, seja para um delicioso almoço entre a praia e o horário do jogo na Vila Belmiro ou para deliciosas comemorações das vitórias do peixe, regadas com geladíssimas cervejas.

Não é difícil também encontrar craques do alvinegro santista repondo seu estoque de proteínas, saboreando os deliciosos espetos preparados por um time de craques da brasa.

Mas não é sempre que podemos acompanhar, ao vivo, a produção de matérias globais como a entrevista realizada com o craque-revelação Zeca, assíduo frequentador do Costelão de Santos. Um paranaense muito simpático e, pelo visto, grande entendedor da arte do churrasco (veja a matéria no link abaixo).

Quem sabe, na sua próxima visita ao Costelão de Santos, você não encontra o seu ídolo que, assim como você, é um craque na arte de "comer churrasco"? 

http://globoesporte.globo.com/sp/santos-e-regiao/videos/t/corpo-em-acao/v/recuperado-de-lesao-zeca-vibra-com-bom-momento-e-sonha-fazer-historia-no-santos/4529448/

Terça, 06 Outubro 2015 17:44

CHURRASCARIA A LA CARTE

“Churrascaria a la carte com churrasqueira a carvão!".

Foi assim que o Sr. Neves, garçom que trabalha há mais de 20 anos no Costelão de Santos, começou sua conversa de apresentação da churrascaria em que trabalha.

A la carte, trazendo para o bom e velho português, resume-se em dar a opção ao consumidor de escolher o que deseja a partir de um menu . Parece ser simples mas não é bem assim.

Um bom a la carte precisa ter um cardápio variado e uma série de outros atributos nele subentendidos. Quer um exemplo?  O Costelão de Santos foi inaugurado quando não se falava de carne de chorizo. Esta “argentinização” na arte do churrasco é algo mais recente e o menu teve que se adaptar a este desejo de consumo. A própria costela, que por anos se destacou no cardápio da casa, hoje tem seu estrelato reduzido a dias específicos porque a correria do dia-a- dia não nos permite esperar horas por um espeto. Tudo isso foi e é cuidadosamente observado e estudado na hora da criação de um menu.

Menu a la carte também tem que ser democrático. Tem que ser para todos os gostos. Há aqueles que buscam o sabor do churrasco autêntico dos pampas, outros têm olhos mais voltados para a dieta, alguns  preferem um mix de sabores e há aquele que não comem carne vermelha de jeito nenhum, mas se deliciam com uma boa salada e peixe.

Restaurante a la carte é aquele restaurante em que o cliente é servido no sentido mais completo da palavra. Voltando a dar um exemplo: cadeirinha para criança pequena. Tem que surgir do nada, para bem atender à criança e ao pai ou mãe que por esta criança zela, assim que eles apontam no salão, não é verdade?  Isto faz parte da arte de bem servir. Restaurante a la carte, tem que ser discreto e atento  para  garantir  atendimento rápido quando a mesa é de negócios. Os consumidores querem acertar na escolha do cardápio, comer bem e, preferencialmente,  não serem interrompidos. Cabe ao garçom antever o que se faz necessário para aquele encontro de negócios ser uma experiência bem sucedida e prazerosa.

E, claro, restaurante a la carte  tem que  ter um ambiente adequado para este fim. Mesas corretamente postas, um bom azeite, bom controle do cheiro vindo da cozinha, música adequada  (quando houver) e sempre, sempre, muita vontade para bem atender, de forma individualizada, cada cliente que chega.

A la carte abre um menu de assuntos interessantes para conversarmos em outros momentos. E é isso o que faremos.

Content by Relevanntia

Convênio com estacionamento
Estacionamento Supermercado Extra
Av. Pinheiro Machado, 143 - Santos
Até as 22h, todos os dias.
Valor R$5,00 para um período de 2 horas